Obras e a personalidade humana


Talvez haja exageiro no título, mas falar da natureza humana sem intensidade me parece vazio. Tempos atrás li um livro bem legal de Jean Paul Sartre, chamado Entre quatro paredes, o qual discutia a natureza humana e também um conceito de como seria o inferno. Apesar de eu acreditar na versão tradicional de fogo e enxofre, a idéia do Sartre é bastante sugestiva e até mesmo, complementar: imagine um lugar de onde não se pode sair e que também tenha pessoas que incomodam de maneiras diferentes (por falar demais, por ficar calada, por olhar esquisito, por ter tique nervoso e etc), esse é o inferno na visão dele.

É uma boa leitura, o livro é relativamente pequeno e de quebra, você poderá tirar onda que leu um escritor famoso. Além disso, poderá notar que diariamente somos brindados com pequenas doses de inferno. Caso você perceba alguma situação infernal a la sartre, volte aqui pra me contar.

A idéia central desse post não é o livro de Sartre mas discutir idéias sobre algumas obras daquele tipo. No ano passado vi um filme chamado O nevoeiro. Ele narra uma situação de estresse bastante elevado por parte dos personagens diante de um nevoeiro que se instala na cidade em que eles habitam. Diante disso, alguns começam a agir estranhamente. Ao assistir o filme, atenha-se ao comportamento das pessoas, releve a situação que os colocou naquele contexto. E se me permite lhe fazer um convite, imagine-se numa situação daquelas. É um bom exercício, considerando que várias vezes, em determinadas situações, nossa vida clama por mais: mais ação, mais paciência, mais emoção ou até mesmo mais humor. Analisar uma situação extrema estando do lado de fora, permite analisá-la com um nível maior de detalhe.

Por falar em olhar, o que me levou mesmo a pensar em escrever isso foi o filme Ensaio sobre a cegueira, baseado na obra de José Saramargo ( fazendo um parentese – isso me lembra um episódio do Seinfeld em que ele disse pro Geoge: “se o livro é bom, espere pelo filme” – tá, descontextualizado assim não tem tanta graça, mas ele estava falando do motivo de não ler livro, nem mesmo os best sellers; o que me leva a um segundo parentese – com a falta de roteiros originais que dos ultimos 12 anos, os filmes americanos tem se agarrado a adaptações de livros: Narnia, Senhor dos anéis, Casa de areia e névoa, Desventuras em série e tantos outros). No filme, uma cidade é acometida por uma doença que cega os moradores, daí, segue uma narrativa sobre como seria o comportamento das pessoas – tanto as infectadas quanto as saudáveis (isso me faz lembrar até o olhar acusador das pessoas na época da gripe suína, quando um mero espirro era suficiente pra ser exposto com, surgido em função da gripe A). A estória aborda também a postura do Estado perante uma situação caótica como aquela. É um filme um pouco difícil de se ver, sobretudo se a sensibilidade estiver mais alta no dia, mas eu recomendo pelas questões que ele deixa para que reflitamos.

É isso, até a próxima.


Anúncios

4 pensamentos sobre “Obras e a personalidade humana

  1. Lendo esse post em deu mais vontade ainda de ler “Entre Quatro Paredes”, já recebi indicações, mas ainda não li… farei isso, pensando no olhar que você sugeriu.

    Quanto ao “Nevoeiro”, lembro de ter assistido e pensado nisso também: e se eu estivesse lá? faria o que? Tudo muda quando imaginamos as coisas de outra forma.

    • Leia o livro, é fininho, dá pra acabar rapido e tirar onde depois que leu Sartre(foi o meu caso). Sobre o nevoeiro, eu fiquei encanado depois do filme, acho que teria feito o mesmo que o cara, daí o lance da esperança né, como reagir numa situação daquelas, tenso…

  2. Logo q começei a ler este post pensei no filme “Ensaio sobre a Cegueira”, que alguns paragrafos depois vc citou…este filme realmente nos traz um mix de emoções.Me fez pensar sobre a dificuldade das pessoas em se adptar a novas realidades e de como o ser humano pode ser cruel ao exckuir e tirar vantagens de quem pode menos…”Em terra de cegos, quem tem um olho é rei”.

  3. Pingback: tempo, passado, futuro « Pense sobre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s