estrelas, relacionamentos



Relações amorosas podem ser comparadas com estrelas. Surgem a partir de explosões  (paixões), a partir do pó que há por ai disperso (do pó viemos e ao pó tornaremos). Depois que estão formadas, a estrela pode ou não ter brilho próprio, vai depender de sua intensidade(amor).
Então elas brilham. Junta de outras estrelas ela poderá constituir uma constelação(encontro de casais?!). Nas constelações podemos observar formas e figuras do nosso cotidiano. Normalmente é algo legal de se ver, é inspirador. Mas no mundo, tudo é feito para ser quebrado.
No caso das estrelas, elas simplesmente desaparecem.

Quando uma relação acaba, ver as fotografias de quando ela existia é semelhante a observar uma estrela no céu. Olha-se para o passado, pois leva um tempo para que o brilho daquela luz no espaço possa chegar aos nossos olhos aqui na Terra. Sendo assim, estamos vendo uma imagem do passado. É um tanto triste olhar para essas imagens do que não é mais. Das constelações que eu conhecia/vivia/tinha ouvido falar, várias estrelas se apagaram nos ultimos tempos:

 T x M
E x J
R x F

Não vou me estender muito nessa lista pois como mecionado anteriormente, é algo bastante triste de se pensar, sobretudo pelo fato de que as estrelas brilham lá no céu e nós não as alcançamos, apenas vemos o seu brilho, seja ele próprio ou não. Nâo conhecemos a constituição delas para entender completamente o seu fim. Nisso, ficam as visões do passado e a esperança de que a pó outra vez disperso possa se fundir numa nova e bela estrela que dure até pra sempre, enternamente. Por falar em esperança, o Creed fez uma canção bem legal que pode perfeitamente ser aplicada a esse assunto. A interpretação dela que pode ser trazida pra esse post é o de que por mais lascado que você se sinta quando sua estrela deixa some e você volta um “pó disperso” é que muitas pessoas se sentem assim, logo, é algo que faz parte da vida, portanto, não pare de dançar, busque outro pó disperso e constitua uma nova estrela. Pense sobre.

Creed – Don´t stop the dance

Às vezes a vida é má e eu não consigo ver a luz
Um forro de prata as vezes não é suficiente
Para fazer alguns erros parecerem certos
O que quer que a vida traga
Eu já passei por tudo
E agora caio de joelhos novamente

Mas eu sei que devo seguir em frente
Embora doa eu devo ser forte
Porque dentro de mim, eu sei que muitos sentem-se desse jeito

Crianças não parem de dançar
Acredite! Você pode voar
Para longe… bem longe

Às vezes a vida é injusta
E você sabe que é claro entender
Ei Deus, eu sei que sou só um ponto neste mundo
Você se esqueceu de mim?
O que quer que a vida traga
Eu já passei por tudo e agora,
estou de joelhos de novo

Mas eu sei que devo ir embora
Embora eu me fira eu devo ser forte
Porque dentro de mim eu sei que muitos pensam desse jeito

Crianças não parem de dançar
Acredite! Você pode voar
Para longe… bem

Será que estou escondido nas sombras?
Esqueça da dor e esqueça das tristezas

Mas eu sei que devo seguir em frente
Embora doa eu devo ser forte
Porque dentro de mim, eu sei que muitos sentem-se desse jeito

Crianças não parem de dançar
Acredite! Você pode voar
Para longe… bem longe

Será que estou escondido nas sombras?
Será que estamos escondidos nas sombras?

Anúncios

2 pensamentos sobre “estrelas, relacionamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s