a vida até parece uma festa (mas quanto custa?)


Registro de Consumação

Registro de Consumação

Desde 1997, quando ouvi Diversão pela primeira vez, fiquei pensando que era uma música de incitação ao prazer, à diversão propriamente dita, afinal, a letra é bastante clara nesse sentido.  Entretanto, de uns tempos pra cá, caiu a ficha pra mim que diversão tem um preço. Então lembrei de uma outra banda de rock, chamada Viper, que diz algo relacionado a isso em uma de suas músicas.

DiversãoTitãs

“A vida até parece uma festa
Em certas horas isso é o que nos resta
Não se esquece o preço que ela cobra
(é meu irmão se a gente não quer!?)
Em certas horas isso é o que nos sobra.”

8 de abril Viper

“A realidade veio me avisar
Tudo tem seu preço
Ela vai me cobrar”

Pensar que tudo na vida tem um preço é bastante razoável. Isso ajuda a explicar o porque de muitas coisas. Como disse num post anterior, a lei universal do equilíbrio diz que se alguém está se dando muito bem, necessariamente deve haver alguém se fudendo. A importância desse assunto está justamente o fato de saber o que se pretende viver/consumir, para que a conta, no final das contas, não seja mais alta do que se está disposto a pagar. Na infância, escolher obedecer os pais, nos torna mais sociável para a vida adulta. Na adolescência, escolher estudar em vez de ficar a toa emburrado no quarto – pra tentar entender o que não tem explicação –  ajuda no vestibular e também na vida adulta, afinal, de quando em quando, as informações teóricas absorvidas ao longo da vida se mostram úteis na prática ( química na cozinha ou na lavanderia; física ao fazer mudanças ou pequenas atividades como furar uma parede para botar um armário na parede; história e geografia pra aquelas conversas de boteco animadas; português para redação administrativa ou interpretação de um artigo e etc). Na vida adulta, a lógica é a mesma.

O grande desafio disso tudo é saber exatamente o preço de cada coisa. Algumas custam caro (em termos de tempo, dinheiro e esforço)  e proporcionam um retorno grandioso, como o caso da graduação. Outras custam caro e não levam a lugar algum (certamente você deva ter algo que lhe deu um puta trabalho e não compensou, como eu tenho mas que nem vale a pena falar). Existem ainda as que não custam caro mas geram um retorno interessante (como investir na amizade, em tempo com os amigos de verdade, não deixando o laço se afrouxar e romper).

Imagino isso tudo da seguinte forma, quando nascemos, além do acesso a festa que é a vida, ganhamos uma comanda pra ir registrando nossa consumação. Seu pagamento é feito no final da festa, quando se ficamos 21 gramas mais leves (não entendeu? clique aqui). Sobre a forma de pagamento, não sei dizer ao certo se é a vista ou a prazo. Mas sei que vários dos pedidos são pagos em tempo real (é o tal do aqui se faz, aqui se paga), talvez seja assim para amortizar a dívida final, ou simplesmente, pela dinâmica universal do equilíbrio.

Estou lendo um livro sobre o Jim Morrison(este aqui), do The Doors. Nele é abordada a influência de Rimbaud na música/vida de Jim. Achei na Internet uma matéria de Cláudio Vigo que fala disso um pouco (clique aqui pra ver na integra). Um trecho da matéria dele que me chamou a atenção foi:

“Jean Arthur Rimbaud no séc XIX e Jim Morrison no séc XX, entre outras almas solitárias e radicais, chegaram na beira do abismo e resolveram experimentar que gosto tinha o pulo. Pagaram caro, a ousadia de queimar em pouco tempo todos os cartuchos. Algumas coincidências, nestes percursos, são fascinantes. Anjos caídos de um inferno particular apontaram para o futuro e tocaram (sem a mínima cerimônia) os atalhos do absoluto.” (Cláudio Vigo)

No caso do Jim, em minha singela e costumeira analogia, acredito que sua conta ultrapassava e muito o quanto ele poderia pagar. Isso acarretou seu fechamento precoce. Semelhantemente ocorreu com Hendrix, Joplin e outros.

Enfim, antes de deixar o garçom (do livre arbítrio) anotar o pedido em sua comanda, certifique-se do que está pedindo e do preço que irá pagar por aquilo, lembrando que nunca temos certeza da forma de pagamento (se é em tempo real ou no final da festa).

É isso, em quanto está a sua comanda? Se for pouco, quer me ajudar e dividir a minha?

Abraço e até semana a próxima.

 

Extras:

Viper – 8 de abril

Titãs – Diversão

Anúncios

3 pensamentos sobre “a vida até parece uma festa (mas quanto custa?)

  1. Pingback: bolinho de chuva « Pense sobre

  2. Pingback: rei do nada « Pense Sobre

  3. Pingback: 50 anos a mil « Pense Sobre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s