Carreira, dinheiro, céu azul e felicidade

Beleza
Beleza

O que eu quero ser quando crescer?  Uma vez respondida essa questão, a pergunta seguinte talvez devesse ser: Por que quero ser? Escolher a carreira em função do dinheiro é um grande risco. Se levarmos em consideração as contradições da vida e que ela passa num instante:

“Ontem, hoje era amanhã.
E amanhã, hoje será ontem.”
(Pedro Carneiro Brandão)

de que vale gastar tempo e energia para se conseguir algo e não ter tempo e energia para desfrutá-lo? A conquista precisa ser prazerosa. Dessa maneira, o alcançar do objetivo será um complemento do prazer. Pensando em termos de carreira, a paixão pelo que se faz é vital. Entendo que encontrar a beleza na profissão é o grande desafio de nossas vidas. Nem todos conseguem encontrá-la e a chance do desencontro cresce ainda mais quando a motivação da escolha é errada, como por exemplo:

  • exclusivamente por altos ganhos ($$$)
  • realização de sonhos alheios
  • buscar o caminho mais fácil

Se a beleza repousa nos olhos de quem vê, trilhar pelos caminhos citados é como andar com os olhos fechados e pegar a bengalinha para tentar não tropeçar. Vejo a beleza do trabalho como um dia de sol e céu azul, sem nuvens. É algo gostoso de ver, é revigorante, faz sentir bem. Existem dias nublados, mas o sol sempre volta a brilhar. No trabalho, quase se sente prazer pelo que se faz, é possível encontrar essa mesma beleza. Haverá sim, dias ruins, mas se você encontrou de fato a beleza, saberá que ela voltará, mais cedo ou mais tarde, afinal, não pode chover o tempo todo.

Então, não fique aí parado, busque a beleza.

ps.: Escrito ao som da trilha sonora de Na natureza selvagem (Into the Wild). Quando puder, recomendo que ouça o Eddie Vedder – Hard Sun, em breve haverá um post sobre esse filme.

Anúncios