Imprevistos

Imprevistos acontecem o tempo todo. Existe uma forma de se preparar para eles? Não! Esse é o problema, existem inúmeros formas de nos prepararmos para eles. Segundo o Murphy os imprevistos para os quais nos preparamos são exatamente os que não vão acontecer. Talvez a beleza da vida, em parte, se deva a isso. Cada dia é um algo novo.Essas variações fazem com que nossa vida não seja correndo numa rodinha.

www.lindogerbil.blogger.com.br

Rodinha

Claro, as emoções trazidas pelos imprevistos não sempre são boas. Mas é disso que a vida é feita né, momentos bons e ruins. Faz parte do jogo.

Eventualmente, nós mesmos podemos ser o imprevisto: (1) por idéias, (2) por ações ou  (3) pela presença. Pelas déias, quando tudo está acordado e  quando nos questionam, nos posicionamos diferentemente do esperado, o que pode acarretar a necessidade de uma nova decisão ou que alguem ceda.  Pelas ações, quando fazemos algo diferente do que esperam de nós, o que pode causar surpresa, seguida de alegria, ou de tristeza, ou de admiração, ou de emputecimento(sic). E pela presença, quando se surge inesperadamente, numa determinada ocasião(ex.: Fiat Uno, 5 pessoas para ir e vc surge como o 6° e inesperado amigo, resultado, alguem vai ter que ir no colo, o que em determinados casos fica fora de cogitação :P  ou então alguem irá de onibus ou alguem deixará de ir ou ninguem irá).

Eu trilho essa carreira há 27 anos quando comecei a ser um imprevisto  pela presença, quando o aborto falhou e eu dei o ar da graça. À medida que o tempo passou, me tornei imprevisto por idéias e ações, mas com o tempo, aprendes-se que ganhar todas não tem graça (leia-se: vc acaba se tornando uma mala). É bom ver os outros ganharem também, seja um lugar na fila, uma cadeira no banco, uma vaga no estacionamento um elogio em vez de você. Isso contribui para o equilibrio das coisas, para a paz e pra gente ser mais querido, pode apostar.

Por fim, reforço que imprevistos acontecem, ponto. Graças a Deus, eles acontecem, do contrário, seria um puta tédio. Diante de um imprevisto, existe a oportunidade de trabalhar seu quociente de adversidade (QA).  Tal termo surgiu no universo corporativo e creio que ele possa ser perfeitamente ser aplicado em nossas vidas pessoais, afinal, se o trabalho é nossa segunda casa, por que não aplicar também na primeira?

“[…]Cabe esclarecer que, quanto mais elevado o QA,
mais controle interno e espontâneo sobre as suas
emoções a pessoa terá. Em contrapartida, quanto
menor o QA, menor controle emocional, que pode
se manifestar em descontrole e explosões emocionais
e até atos de violência. O baixo QA também se
relaciona ao processo de vitimização: quanto menos
a pessoa sente-se capaz para enfrentar as
adversidades, mais ela precisa colocar-se no papel
da vítima, pois assim, ela justifica para si
própria e para os demais, a sua própria inoperância.[…]”

(Denise Dutra, profissionaldesucesso.com.br)

Aprender a lidar com os imprevistos(ou adversidade como o conceito de QA coloca) é importante para uma vida mais tranquila. Atribuir as dimensões que as coisas tem de fato e não pela impressão que temos. Indo mais fundo nessa idéia, você vai ver que existem coisas que precisam sim ser contornadas logo,  outras coisas que podem ser postergadas (mas com tranquilidade, fazendo cada coisa a seu tempo, para evitar a ansiedade pois isso dá gastrite) e outras que não tem jeito mesmo quando vc sente e chora e a solução é ligar o foda-se deixar para lá.

É isso.

ps.: esse post era pra ser engraçado, pois eu iria falar do imprevisto que foi ir para Brasília ficar 3 dias e que se tornaram 7 devido ao mau tempo que impossibilitou o pouso de volta à minha cidade, nisso algumas coisas engraças aconteceram, mas vai ficar mais para frente pois surgiram alguns outros imprevisos os quais meu QA diz para não postergar. Para o post não ficar tão chato, aqui tem as fotos do imprevisto de Brasília.